16.ago
Categorias: Entrevista
Vogue – Como Kendall Jenner se tornou a modelo revelação de sua geração

Kendall conseguiu levar a sua carreira a um novo nível ao estampar a capa da edição de setembro da famosa revista estadunidense Vogue e, junto com o incrível ensaio fotográfico clicado pelas lentes da dupla ícone Mert & Marcus, a modelo foi entrevistada e teve sua “história de capa” produzida pelo contribuidor Jonathan Van Meter.

Ao decorrer da entrevista conhecemos um pouco mais sobre Kendall, sua vida em Los Angeles, sua família, o começo e a profissionalidade que a modelo tem por sua carreira. As lendas da moda Cindy Crawford e Riccardo Tisci também não deixaram de falar o seu ponto de vista sobre a modelo revelação—segundo as palavras da própria Vogue—que é Kendall. Confira:

Como Kendall Jenner se tornou a modelo revelação de sua geração

Ela transcendeu a infância infâmia de TV, os paparazzi — até mesmo sua própria família famosa. Nunca conteúdo para simplesmente manter-se, Kendall Jenner é simplesmente possuidora.

Em uma manhã de terça-feira em junho conheci Kendall Jenner no lobby de seu arranha-céu em Westwood, a parte estranha de Los Angeles, que parece querer ser parte de uma cidade diferente, como Dallas ou Atlanta. O bairro fica entre Beverly Hills e Brentwood, e para a maioria dos moradores de Los Angeles que eu conheço, é apenas um triste canyon de condomínios feios que um deve passar para chegar às praias legais de Veneza ou Malibu. Kendall, que cresceu no Valley, comprou um apartamento de dois quartos aqui por US $ 1,4 milhões com o seu próprio dinheiro quando ela completou dezoito anos, em parte como uma maneira de anunciar a sua independência em relação às Kardashian de Calabasas — e seu prédio parece em nada com as monstruosidades nas proximidades. Quando Kendall aparece no saguão — usando jeans pretos skintight, cinto preto cravejado, um top de alcinhas teeny-tiny que se parece com um maiô e tênis branco, com uma pequena bolsa peluda debaixo do seu braço – Eu perguntei sobre o proveniência do apartamento. É velho? Eu pergunto, ainda intrigado. “É!”, Diz ela. “Foi construído na década de oitenta!”

Kendall Nicole Jenner nasceu em 1995, um mês para o dia após o veredicto de O. J. Simpson foi anunciado (a mãe de Kendall, Kris, era a melhor amiga da mulher assassinada de Simpson, Nicole – daí o nome do meio de Kendall, enquanto ex-marido de Kris, Robert Kardashian, famosamente defendeu Simpson).  A ronda o relógio do noticias a cabo e da cultura paparazzi que agora cansados de tomar por certo tinha apenas começado a mudar a nossa forma de processar os acontecimentos do mundo — essencialmente, no detalhe de entorpecimento mental. Em agosto daquele ano, a Internet apareceu de repente em milhões de salas de estar, pela primeira vez quando o navegador Internet Explorer veio junto com o Windows 95. Kendall tinha apenas dois anos quando The Truman Show desembarcou nos cinemas como uma profecia dos deuses: a história de um menino que inadvertidamente crescia como a estrela de um reality show, todos os seus movimentos documentado por câmeras, transmitido ao vivo 24 horas por dia em todo o mundo. Tudo isso é pra dizer a dizer que Kendall cresceu totalmente e completamente uma criança da moderna celebridade da realidade digital enlouquecida que vivemos. Para todos os efeitos, ela é criança zero, nascida ali na linha de falha de uma mudança de paradigma tectônica e cresceu na barriga deste estranho animal novo, experimentando quase nada do mundo que vieram antes.

Talvez seja por isso que ela dirige um Corvette Stingray 1957. Descendo as escadas de sua entrada para a garagem em baixo de sua construção, e lá está ela: a intocada conversível que custou cem mil. (Quando Kendall decidiu sobre vintage, seu pai levou ela para um galpão em Burbank onde Jay Leno mantém sua coleção de carro). Nós deslizamos para os assentos de couro branco-amarelados. “O motor foi restaurado”, diz ela, “e ele foi reparado, mas na cor original. Tudo é como era. ” Como era em 1957: sem cintos de segurança; no espelho retrovisor do tamanho de uma senhora do compacto; um rádio AM; um motor que queima através de um tanque de gás em uma viagem para o supermercado. Mas com certeza é bonito – e divertido de conduzir!
Ela puxa para fora da garagem e graciosamente desliza para dentro da mancha de tráfego em Wilshire, aparentemente, possuidor de 360-grau de consciência situacional. Quando pergunto quando ela aprendeu a dirigir, ela diz isto: “Meu pai me ensinou quando eu tinha dezesseis anos em seu Porsche.” A dissonância é uma coisa que você eventualmente se acostumar ao redor de Kendall. Mais tarde, ela vai escorregar algumas vezes e chamar o pai dela de “ele”, claramente ainda se ajustando à nova realidade de Bruce tendo-se tornado Caitlyn.

 Nós paramos no sinal vermelho, e uma mulher de meia-idade ao nosso lado em um Range Rover grita: “O que caaaaarro lindooooo. . . . ” Kendall bate seus cílios. “E eu amo a senhora que está dirigindo”, disse a mulher. “Eu estou dizendo a você, eu vou começar a batida em por as pessoas mais aleatórias”, diz Kendall. “Os homens mais velhos— como, mais velho do que meu pai — buzinam para mim e acenam. Caras em motos puxam ao lado de mim e dizem tipo, ‘carro legal! É do seu pai, certo? E eu digo, ‘Não, na verdade é meu.'” Ela reduz a marcha e puxa para outro sinal de trânsito, em seguida, se vira para mim com aqueles grandes olhos castanhos em mim e sem muita emoção fala sua melhor frase do dia: “Isso não é necessariamente a forma mais discreta de transporte.”

Isso me lembra da famosa história de Diana Ross dirigindo por Beverly Hills na década de oitenta em um escabroso Rolls-Royce amarelo, reconhecida onde quer que fosse. “Incrível!”, disse Kendall. “Tem essa mulher aqui – não lembro o nome dela – que dirige pela cidade em um lindo Corvette rosa.” Angelyne? Eu digo. “Isso aí! Eu ainda vejo ela de vez em quando.” Kendall vagamente sabe da história. “Alguém pagou por um monte de outdoors para fazê-la famosa ou algo assim?” De fato. Pesquise “famosa por ser famosa” e aparece no Wikipedia: “Pessoas que são descritas como ‘famosa por ser famosa’ inclui Angelyne, Paris Hilton, Katie Price, e a família Kardashian.”

Ironicamente, é Kim Kardashian West que me diz como Kendall—que, em apenas dois anos, foi de modelo de ensaios longos para a garota da capa da Vogue com um contrato com a Estée Lauder, inegavelmente agora no ápice de sua carreira—foi direta sobre sua carreira desde que tinha 13 anos. “Ela estava focada exatamente no que queria fazer,” diz Kim, “e ela fez isso acontecer.” Kendall queria, em outras palavras, evitar o destino de suas irmãs—ser cuidadosa sobre a fama em nome da fama, ser conhecida por algo sólido e tangível. “Obviamente, meu sucesso veio com minhas irmãs’—eu consegui ver todos os erros delas e ficar atenta com isso,” Kendall diz. Em alguns aspectos, ela se assemelha a Linda Evangelista, que também sabia que queria ser uma modelo desde que era uma garotinha brincando em seu quarto, praticando seu desfile de passarela, cortando revistas de moda. As duas essencialmente fizeram isso acontecer, o que é raro. Muitos modelos são descobertos e acabam fazendo isso porque, bem, por quê não? É muitas vezes a melhor opção que eles encontram. Mas quando o objetivo é modelar, desgosto e decepção geralmente seguem—até porque, a Moda decide quem pode ser ou não uma modelo. Mas há outra razão que Kendall me lembra de Linda: Tipo Evangelista no começo dos anos 90, ela está agora em solo igual com os de stylists e fotógrafos com quem ela trabalha—uma participante ativa em seus próprios ensaios fotográficos. Ela é, em outras palavras, não apenas uma garota para contratar mas, mais vezes do que não, a razão pelas fotos em primeiro lugar, é: Essa é uma história da Kendall.

“Eu estava tentando tanto ser levada a sério. Isso não é uma piada ou uma façanha.”

Nós paramos em outro semáforo pouco antes de uma entrada para a estrada 405. “Hora de amarrar meu cabelo,” diz Kendall enquanto ela tira uma liga de seu pulso. Logo que ela está quase para acelerar, um pedestre aparece do nada para atravessar a rua. “Com licença, senhor—carrinho azul passando!” Kendall grita. Logo nós estamos rugindo em 70 milhas por hora através de várias pistas de péssimo tráfego com caminhões de carga e passageiros de forma ilegal. Eu por reflexo encontro o sinto de segurança que não existe quando me ocorre: Eu estou em uma armadilha mortal. Me sentiria mais segura atravessando as Cataratas do Niágara em um barco de madeira. “Você tem que estar comprometida quando entrar nesta coisa,” diz Kendall com um sorriso cúmplice. “Você tem que saber no que está se metendo.”

Logo que chegamos no estacionamento do parque de diversões Sherman Oaks Castle Park—uma cidade com um “centro de entretenimento” com três campos de mini golfe,  uma arcada, e campos de críquete—Kendall diz, “Eu amo que ninguém nos seguiu,” pelo o que ela quer dizer os paparazzi. Já que eles esperam do lado de fora de seu prédio todos os dias, ela está intrigada em porque eles escolheram esta terça-feira para deixá-la sozinha. “Há alguém mais interessante por aqui? Tipo, Beyoncé está na cidade?” Ela ri. Nós decidimos jogar mini golfe, mas Kendall é horrível nisso, então nós encontramos uma mesa de piquenique ao lado de uma fileira de máquinas de venda automática, ela pega um pacote de Dippin’ Dots, e nós nos sentamos e conversamos.

Como a pessoa formalmente conhecida como Bruce, Kendall é alta e atlética, com um incrível longo torso. Ela se destacou no atletismo e futebol na escola. Também como seu pai, ela é constitucionalmente uma solitária; ela passa muito tempo em seu quarto jogando vídeo games. “Eu lembro de chorar no meu quarto porque Kylie tinha tantos amigos e eu não,” diz ela. E em cerca de seus 6 anos de idade, ela passava quantas horas o dia poderia permitir em um celeiro onde ela cresceu, cavalgando pôneis. Um cavalo em particular, Ladybug, era uma excelente saltadora. “Ela sabia fazer melhor o que ela estava fazendo do que eu,” diz Kendall. Ela gosta de ficar suja, trabalhar com suas mãos, descobrir coisas.

“A gente tinha ATVs e Karts, e eu cresci brincando com eles o tempo todo, e é por isso que sou uma ótima motorista,” diz Kendall. “É muito irônico pensar sobre agora, mas é algo que eu posso agradecer ao meu pai: o quanto moleca eu era. É por isso que eu acho que a coisa toda—a transição dela— foi muito difícil para mim, porque eu estava tipo, ‘Mas você me ensinou tudo sobre uma moleca!'” Tem sido mais fácil. “Eu sabia que teria uma fase difícil,” diz ela. “Mas é tudo super normal agora. Não é nem um pouco estranho. Às vezes eu olho para uma foto do meu pai quando ela era um homem, e isso me faz um pouco triste—eu fico emotiva. Você tem que superar isso—você tem uma nova pessoa para amar. É uma espécie de bênção disfarçada—se isso não é o jeito errado de dizer isso “, diz ela, e depois ri de sua escolha de palavras.

Parte do que deve parecer um pouco desorientador para Kendall é que seu pai agora tem mais em comum, pelo menos na superfície, com todas as outras mulheres em sua família. “Eu sempre fui diferente de todas as minhas irmãs, especialmente minhas irmãs Kardashians. Elas sempre estiveram por dentro da coisa de maquiagem e vestindo todos os dias e no meio disso tudo. Parte de mim ama isso, mas ao mesmo tempo, eu amo me vestir casualmente e ter minha vida privada. É legal saber que ninguém sabe que estamos sentados aqui agora—porque não é geralmente assim. Todos os dias, eu tenho que achar um jeito de escapar; eu tenho que pedir emprestado o carro de alguém. Às vezes me leva uma hora para descobrir como me livrar desses caras que me seguem o dia todo. E no segundo que eu sinto isso obtendo o melhor de mim, eu tenho me acalmar—tomar um banho ou algo assim para me desconectar disso. Isso te mantém real e sana e humilde.”

De fato, Kendall tem uma reputação entre as pessoas da moda por ser fundamentada, sempre em tempo, madura. “Se estou sendo honesta, minha irmãzinha e eu temos todo o direito de enlouquecer,” diz ela. “Você esperaria isso de nós. Mas nenhuma de nós desejamos fazer isso. Eu acho que isso diz muito sobre o jeito que nós fomos criadas. Não apenas pelos meus pais, mas minhas irmãs Kardashians e o que elas nos ensinaram. Meus pai fizeram algo certo, e graças a Deus.”

Embora seja um pouco difícil de conciliar a ideia de uma mãe que põe os filhos em um reality show—Kendall tinha 11 anos quando Keeping Up With The Kardashians começou a ser transmitido— como ter feito algo certo, quanto mais você conhece essa família, mais tudo faz sentido: Eles são próximos, trabalham duro e firme. Mas apesar de Kendall Jenner ser surpreendentemente uma boa conversadora—indo e voltando entre o jargão de adolescentes e pronunciamentos de adultos, que pode falar quase qualquer coisa—ela não está bastante pronta ainda para pensar qualquer coisa negativa sobre a decisão de sua mãe de colocar a sua família inteira em frente às câmeras e ser ridicularizados como superficiais e consumistas. Quando eu menciono que o nome Kardashian agora representa algo—que é um adjetivo e nem sempre um bom—seus olhos se arregalam, como se ela estivesse ouvindo isso pela primeira vez. “Ai meu Deus. Eu totaaalmente sei o que você está dizendo,” diz ela. “As pessoas dizem muito do que estão pensando, e nem sempre é algo positivo. E nós nunca dizemos nada. Nós apenas deixamos pra lá. E depois quando as pessoas conhecem a gente, elas são agradavelmente surpreendidas. Porque nós não somos o que elas pensam. Uma das melhores lições que já aprendi das minhas irmãs, é não levar tudo tão a sério. Apenas deixe para lá—isso vai passar em uma semana. Foi assim que eu cresci. Minhas irmãs são fortes pra c*ralho, e elas ensinaram a mim e minha irmãzinha apenas a endurecer e não deixar isso nos afetar. Você sabe o que é verdadeiro.”

Reality de TV parece baratear tudo o que toca, incluindo os seus espectadores; isso nos fez mais cínicos, não menos. O que apenas faz o sucesso da Kendall em uma indústria crescer em luxúria, exclusividade, e um pouco de mistério. “Eu acho que ser uma Kardashian foi ruim para ela,” diz Kim. “Vir de um reality show, pessoas olham com deboche para você—muitas pessoas na indústria da moda não respeitam esse mundo.” Até mesmo Kendall tinha sérias dúvidas. “Dois anos atrás, quando eu comecei isso, eu pensei: Isso vai ser tão embaraçoso. Ninguém vai me aceitar, e vai ser um fracasso completo.” Não exatamente. Mas precisou de um perito da cultura pop como Marc Jacobs para lançar a carreira da Kendall, colocando-a em seu desfile de Outono 2014 (e desde então em todos os outros desfiles e duas campanhas), assim dando ao resto do mundo da moda permissão para pensar nela como legal. “Nós queríamos ela por causa de seu mérito como modelo,” diz Jacobs. “não porque ela é uma Kardashian. Todo o sucesso dela é um testemunho de seu trabalho duro e paixão.”

É também um testemunho de uma decisão muito sábia que ela fez no começo. “Marc convidou a minha família inteira para aquele primeiro desfile, e eu estava tipo, ‘Eu amo vocês, mas vocês podem por favor não ir?’ Eu estava tentando tão duro ser levada a séria, tipo, ‘Pessoal: Isso não é uma piada ou uma façanha; isso é o que eu quero fazer com minha vida.’ Eu tive que provar que eu poderia fazer isso.” Ela suspira profundamente, o senso de alívio que tudo deu certo de forma tão palpável como se tivesse acontecido ontem. “E agora eu sinto como se eu fosse parte de algo. Eu sinto que alcancei algo que é meu.”

A primeira coisa que eu noto quando eu entro na casa de Kris Jenner em Hidden Hills, o condomínio fechado em Calabasas onde Kendall cresceu, é uma gigante foto preto e branco de Elizabeth Taylor lançando um casal de pássaros para a câmera.

“Não é engraçado?” diz Kris enquanto ela me cumprimenta na porta. Eu vim para uma comida caseira—macarrão e frango e brócolis. A casa é enorme, com escadas em espiral descendo para o hall de entrada. “Nós estávamos filmando hoje,” diz ela. “Eu estava do outro lado vale e eu vim correndo para preparar o jantar, e eu ainda estou vestida nesse conjunto ridículo—geralmente eu estou em meu suéter e UGGs.”

Kendall, que está quase para se mudar para uma nova casa de $6.5 milhões em Hollywood Hills, é o único membro do clã que tem (meio que) mudado para longe—o resto comprou casas perto da mãe. Não vamos para a sala de jantar, onde tem uma mesa muito longa, um final preparado para mim e Kendall. “Parece que estamos em um encontro,” diz Kendall. “e minha mãe está nos supervisionando.”

No momento em que Kris aparece com o prato principal, eu tinha acabado de perguntar a Kendall qual foi a pior coisa que ela fez quando criança, e agora ela faz a mesma pergunta para sua mãe. “Ela vinha até nós às 10 horas todas as noites e dizia, ‘OK, mãe, eu estou pronta para dormir,'” diz Kris. “A criança perfeita. Ela nunca fez realmente nada de errado.”

“A única coisa que eu consigo pensar é que eu fugia à noite para ir dormir na casa do meu namorado,” diz Kendall.

“Você fugia à noite? Isso é tão Khloé de você,” diz Kris, voltando para a cozinha.

“Eu estava com mais medo do meu pai—sobre meninos e essas coisa,” Kendall me diz. “Eu definitivamente estava escondendo isso mais dele. Mas eu sabia se contasse a ela, ela poderia contar a ele.”

No começo do dia eu disse a Kendall que eu percebi assistindo I Am Cait que a mãe dela é dura com seu pai. “Ela é muita dura nele,” Kendall tinha me dito. “Ela é dura com todos nós, para ser honesta—ela é uma mãe empresária.”

Eu pergunto a ela o que ter um pai que está em transição de gênero quando você é adolescente faz com o seu senso sexual ou identidade de gênero. “Você quer saber o que é louco?” diz Kendall. “Eu quero ser cuidadosa sobre como eu digo isso porque eu não quero que seja interpretado de forma errada, porque eu nunca disse isso em voz alta, eu recentemente tenho… mesmo quando eu digo ‘ele’ ou ‘ela’ sobre alguém que é claramente um garoto ou uma garota—até mesmo com minha mãe—eu penso duas vezes agora por causa do meu pai.”

Talvez porque ela não teve um namorado em dois anos, bem, as pessoas gostam de falar. Mas Kendall diz que a razão que ninguém sabe muito sobre sua vida romântica é que não houve muito a relatar, porque tudo o que ela faz é trabalhar—e, novamente, porque ela aprendeu lições muito boas de suas irmãs. “Por que você deixaria outra pessoas ter a opinião delas nisso, quando nem você mesma sabe o que está acontecendo?” diz ela. “Quando você é jovem, tudo é uma confusão, eu não gosto quando as pessoas se metem nos meus negócios.”

Kendall ainda está em uma idade em que o metabolismo é muito acelerado, o que significa que ela está comendo como um menino adolescente. Ela adiciona mais macarrão e então vai por um caminho que eu não esperava. “Nós somos muito abertas em relação às pessoas e ser diferente e ser quem você é,” diz ela, de forma espontânea. “Nós não julgamos. Mas obviamente é estranho ter seu pai, que é tão masculino, completamente reverso. Isso é definitivamente uma experiência estranha. Mas em toda a minha vida nós iriamos pegar ela no flagra, e nós ficávamos, O que está acontecendo aqui? Eu acho que a gente sabe, mas será mesmo? Em certo ponto Kylie e eu pensamos que ele estava traindo minha mãe, porque ele tinha maquiagens e lixador de unha. Uma vez nós encontramos esses negócios estranhos de peito. Nós encontramos perucas. E então uma vez eu vi ela. Nesta casa. Ela não fazia ideia. Ela acordava muito cedo para apenas se produzir toda e andar pela casa, e depois voltar a ser Bruce—levar-nos para a escola, totalmente normal. Então uma vez eu acordei às 4 horas da manhã com sede, desci para a cozinha, e peguei uma garrafa de água. E quando eu estava voltando, meu pai estava descendo as escadas em uma peruca e maquiagem e sapatos—todo produzido. E ela não me viu. Eu literalmente congelei. Por favor não vire à esquerda. Porque ela poderia ou virar à esquerda ou à direita. Graças a Deus ela virou à direita e—até esse dia—não tem ideia que isso aconteceu. Essa foi a primeira vez que eu vi ela.” Ela pausa por um momento. “Minha mãe sabia. Ela sabia desde o terceiro encontro deles.”

De repente Kris aparece. “Broooowwwwnnnnnieeees!” Ela traz pratos com brownies acabados de ser feitos com uma bola de sorvete de baunilha e se junta a nós para a sobremesa.

Duas semanas depois, eu encontro Kendall em Paris, onde ela tem que desfilar para a Givenchy. Na noite antes do desfile ela vai à ao atelier da casa de moda na Avenue Montaigne em um carro preto às exatamente 9:30 (sempre no horário). Enquanto nós subimos as escadas ela diz, “Eu cheguei aqui essa manhã mas dormi o dia todo. Eu estou um borrão.”

Mais cedo eu perguntei a Kendall a melhor e pior parte de modelar. “Eu não acho que as pessoas entendem o quão solitário isso pode ser,” ela disse. “Tudo o que você está fazendo é viajando pelo mundo sozinha para fazer um trabalho e depois voltar para seu hotel sozinha. É uma vida diferente do que você imagina.”

No andar de cima, aparece Riccardo Tisci, e Kendall sai com o vestido que ela vai usar amanhã. Enquanto Tisci tira as suas medidas, várias mulheres vestindo jalecos brancos e luvas, falando francês e italiano, começam a arrodear Kendall com pinos e fita, fazendo ajustes no vestido sobre a direção do designer. Quando Kendall sai para tirar o vestido, Tisci diz para mim, “Ela é muito especial.” Ele se tornou amigo de Kim e Kanye, ele diz, mas não tinha ideia que Kim tinha uma irmãzinha que estava modelando. Um dia, o diretor de casting mostrou a ele alguns Polaroids. “Ai meu Deus, ela é tão lindaaaa!,” Tisci observou. “Ela veio nos ver. E o diretor de casting disse, ‘Você sabe que ela é a irmã de Keem Kardashian?’ Kendall veio completamente separada. Eu lhe prometo. De um Polaroid. Nós ainda o temos.”

No próximo dia, eu me encontro com Kendall no Café Marly. Ela está vestindo outro vestido com botas que tem saltos estilo anos 70. De repente, uma jovem aparece ao lado de Kendall para pedir uma selfie, mas ela está tão fascinada que mal consegue segurar a câmera. Kendall docemente pega a câmera dela e tira a foto. “Eu te amo,” diz a garota enquanto vai embora em lágrimas.

Kendall saiu depois de seu fitting ontem à noite para jantar no restaurante Ferdi com seu amigo Virgil Abloh, o designer de Off-White. Ela voltou para seu hotel às 1 hora da manhã e dormiu até ela vir me encontrar às 14:30. “Eu sinto como se eu tivesse sido atropelada por um caminhão,” diz ela, soando nem malcriada nem mimada nem cínica. Na verdade, ela está conformada com a ideia de que pode estar enfrentando constante anos de fadiga. “Essa é uma carreira—eu quero que dure por um longo tempo,” diz ela. “Não que eu não irei me aventurar por aí e fazer outras coisas, mas eu quero que isso seja uma coisa estilo Cindy Crawford; eu quero que dure até que eu tenha a idade dela. É por isso que eu a amo tanto e porque eu me inspiro nela: A vida dela agora é como eu quero que a minha vida seja.”

Kendall não está usando a palavra supermodelo aqui, mas é isso o que ela quer dizer. Mas modelos não se tornam nomes conhecidos nos dias de hoje (a não ser que elas sejam também estrelas de reality)—as pessoas não têm mais tempo para ficar apegadas com as meninas. E porque modelos amam alimentar a besta faminta que é o Instagram, elas tendem a queimar muito mais rapidamente seus capitais de celebridade; em vez de uma capa por mês, agora elas estão disponíveis para o público constantemente.

Kendall também conheceu Linda e Christy e Naomi, mas a razão pela qual ela admira Cindy é que ela tem passado tempo com sua família, foi à sua casa algumas vezes. “Eu amo a filha dela,” diz ela. “Ela é a mais doce e tão ridiculamente linda. Ela se parece exatamente como Cindy, menos o molar. É, na verdade, a coisa mais estranha e legal de sempre. Isso é o que eu quero. Uma pequena eu? O quão fofo é isso?”

“Ela não está desprezando o seu poder,” Crawford diz sobre Kendall. “Ela já está anos à frente do que eu estava quando tinha a idade dela. Me levou um tempo como conseguir isso.”

Se Cindy era a original modelo líder, então Kendall, Gigi e Bella—essa “nova onda de garotas californianas,” como coloca Kim Kardashian West—estão tomando esse padrão para um outro nível. “Elas estão arrasando,” diz Cindy. Mas o que é mais notável sobre Kendall, que separa ela do grupo, é que ela veio para esses negócios conhecida por muitos—milhões assistiram ela crescer—e ainda, ainda mais como Linda Evangelista do que como a confiantemente belíssima mas confortadoramente sempre-a-mesma Cindy, ela, de alguma forma, manteve-se magicamente mutável o suficiente para que designers, fotógrafos e editores de moda ansiassem projetar suas visões nela. É um presente raro e impreciso para uma modelo que não pode ser ensinada ou domesticada. Só pode haver uma única Kendall.

Eu acho que ela de alguma forma sabia que nossa manhã bem-aventurada e livre de câmera em Sherman Oaks não iria durar. Enquanto nós deixando aquele parque estranho com os campos de mini golfe, Kendall checa o tráfego em seu celular. A Interestadual 405 está congestionada, então ela decide pegar Benedict Canyon Drive, uma estrada famosa e ventilada. Logo após nós ligarmos o carro e começarmos a descer pelo outro lado, o motor para. “Alguma coisa acabou de acontecer,” ela diz calmamente. “Eu acho que estamos sem gasolina.” Então assim vamos nós, costeando silenciosamente a 80 km/h, até que finalmente chegamos em uma rua. Kendall para o carro e começamos a rir. Ela liga para a sua amiga Lauren, que mora perto, e dentre de alguns minutos Lauren aparece no Porsche conversível de 2 lugares de seu pai e os três de nós de alguma forma nos esprememos dentro e seguimos para um dos poucos postos de gasolina em Beverly Hills—onde os paparazzi nos encontraram. Eles nos seguem de volta para o carro da Kendall, tirando fotos de longas lentes através de janelas meio abertas enquanto Kendall coloca gasolina em seu tanque a partir de uma pequena lata vermelha.

Essa é a foto que estará no Daily Mail amanhã, eu digo.

“Eu sei, certo? ‘Kendall fica sem gasolina.’ Esse é o drama da minha vida.”

A verdadeira manchete do Daily Mail no dia seguinte: ‘Oops! O clássico carro de Kendall Jenner fica sem gasolina enquanto na estrada—mas agradecidamente um velho cavalheiro vem ao seu resgate.’ (Ai!) Eu brinco que ela planejou a coisa toda para conseguir mais atenção, e por um segundo, ela me leva a sério. “Eu não sou esse tipo de pessoa nem um pouco,” diz ela. Essa é a única vez que eu escuto ela soar um pouco defensiva. “Eu já penso que esse mundo é tão falso. Por que eu iria levar isso adiante? É literalmente a última coisa que eu iria querer fazer.”

Ela olha para mim e de repente percebe que eu estou brincando—ou será mesmo? Isso ao menos importa? Ela sabe o que é real.

Photoshoots > 2016 > Vogue US (September)

 

Fonte: Vogue | Tradução & Adaptação: Equipe Kendall Brasil

 

Aproveite para ler também:
Espere! Não se vá antes de deixar o seu comentário sobre o post




O Kendall Brasil não possui nenhum tipo de contato com a Kendall ou alguém próximo a ela, tampouco somos ela, somos apenas um fã site feito por fãs e para fãs a fim de informar e unir os fãs da Kendall no Brasil. Todo o conteúdo postado aqui pertence a equipe do Kendall Brasil, caso utilize pedimos que dê os devidos créditos à nós, fica proíbida a cópia total ou parcial deste layout assim como, também deste site! Esperamos que tenham gostado da visita e voltem sempre!