15.mar
Categorias: Entrevista
Kendall Jenner abre seu coração e fala sobre relacionamentos, sexualidade, Stormi e muito mais para a Vogue US

Kendall Jenner recentemente estampou a capa da Vogue US, edição de Abril de 2018. Em entrevista, nossa musa bateu um longo papo com Jonathan Van Meter e comentou sobre diversos assuntos do seu cotidiano, desde rumores a até como se sentiu quando a pequena Stormi Webster, filha de Kylie Jenner, nasceu. Confira a matéria completa traduzida por nossa equipe:

 

Kendall Jenner fala verdadeiramente sobre sua carreira, suas controvérsias e sua vida priavada

 

Kendall Jenner instala seus cavalos em um celeiro despretensioso chamado Huntover. Fica localizado em uma mancha dolorosamente romântica escondida na comunidade fechada de Bell Canyon, Califórnia, a cerca de cinco milhas de onde ela cresceu em Calabasas. Huntover é de propriedade de um homem gay de meia idade, Mark Bone, que Kendall conhece desde os treze anos, quando costumava andar e treinar com ele em uma instalação maior, não muito longe daqui.

“Este é o meu pequeno baaarn!”, Grita Kendall, parecendo incrivelmente legal em calças de couro preto cintilante, enquanto ela atravessa um dramático arco de estilo missionário em direção a onde Mark e eu estamos de pé, exatamente fora de suas duas bancas. Seus cavalos, Belle e Dylan – as duas irmãs do sangue quente européias treinadas como jumpers – balançam suas cabeças e se queixaram ao som da voz de seu dono. Kendall as alimenta da palma da mão, enquanto ela e Mark conversam sobre pessoas de cavalos, incluindo Bella e Gigi Hadid, que também são cavaleiras realizadas.

“Para onde você irá esta vez?”, Ele pergunta logo, provocando a modelo mais bem paga do mundo. “Nova York”, diz ela. “É o mês… de desfiles” Ela revira os olhos. “Mas eu só estou fazendo uma semana”. Esta é uma das razões pelas quais Kendall conseguiu começar a montar de novo: depois de alguns anos de trabalho ininterrupto, ela recuou um pouco do trabalho árduo que é estar no topo do mundo das modelos.

É uma manhã quente de fevereiro, e a neblina está apenas queimando. Kendall está aqui para montar em Dyl, como ela a chama, uma égua que ela tem por apenas duas semanas. Quando Kendall se dirige para o bloco de montagem, Dyl está assustada por conta de dois cachorros sentados debaixo de uma árvore. “Oh, você tem medo dos cachorros”, murmura Kendall. A relação entre cavaleira e a égua é uma coisa muito particular – há química e confiança envolvida, um período de se acostumar com as idiossincrasias uns dos outros. Pessoas que convivem e gostam de cavalos usam essa expressão sobre obter um cavalo novo: comprar um amigo. Para alguém que sofria de acne grave quando criança e teve problemas para fazer amigos, a conexão de Kendall com criaturas tão sensíveis não era apenas formativa; foi crucial. “Ainda estou aprendendo”, diz Kendall. “Vai demorar alguns meses. É como com qualquer pessoa: você se apaixona e então sentem um ao outro”. O que você sabe até agora? “Ela é uma garota muito boa. Ela ouve. Ela é inteligente”.

Kendall entra no ringue e leva Dyl por alguns passos fáceis. Ela teve seu primeiro pônei quando tinha dez anos e, como adolescente, ajudou uma mulher que possuía vários cavalos. “Eu andava com esta senhora das 8:00 da manhã às 8:00 da noite, eu andava com todos os seus cavalos para ela todos os dias”. E, na nona série, Kendall saiu da concha: ela ganhou um namorado e se tornou uma líder de torcida. Quando começou a modelar, não muito tempo depois, a equitação parou completamente. “A pior coisa que já fiz”, diz ela.

Belle chegou cerca de um ano atrás, na hora em que Kendall sentia-se queimada. Ela não teve uma pausa em três anos e meio e sofria de uma ansiedade debilitante e uma misteriosa e intensa dor no pescoço. Ela começou a ter medo de entrar em aviões. “Eu fiz uma meta no início de 2017 para diminuir conscientemente o ritmo, dar mais tempo a mim mesma, ser mais seletiva e não apenas fazer o que meus agentes me dizem para fazer”. Tudo o que aconteceu a trouxe de volta ao celeiro. “Eu fiz isso toda a minha vida – era a minha vida. Eu não me importava com mais nada, eu não gostava de meninos. Isso é o que me deixa feliz”. Ela percebeu que queria ir aos campeonatos – competir em saltos novamente. “É por isso que eu tenho Dyl”. (É também por isso que ela se comprometeu com a Meditação Transcendental. “Eu tinha muitas pessoas na indústria que me diziam: “Eu sei que você está ocupada, o que você faz para manter a calma, legal e recolhida? “E eu dizia, ‘Um, nada?’ ‘E então, um dia, quando eu estava pirando – eu estava tendo vários problemas – eu pensei, “Eu vou tentar então”, e então encontrei essa senhora, ela é incrível, ela me ensinou MT, e eu adoro isso”.)

Alguns minutos depois, Mark está no centro do ringue, enquanto Kendall troteia em círculos em sua volta. Ela monta até onde eu estou de pé na cerca. “Estamos tentando pensar em um nome artístico para mim quando eu for para os campeonatos, porque eu quero estar sob o radar”, diz ela.

“Qual é o seu segundo nome?”, pergunto.

“Nicole”, diz Kendall. “O que acha de Nicole Dylan?”

“Isso realmente funciona”, diz Mark.

Eu descarto a ideia de usar as iniciais, como o escritor A. M. Homes, para que, quando ela se registre, não saberão se ela é um homem ou uma mulher.

“Oooh”, diz Kendall. “Eu poderia ser um menino”.

Kendall Jenner – uma moleca que coleta carros antigos, prefere tênis e calças jeans e um moletom, e anda com um grupo que a maioria são meninos – e não é gay. Na verdade, ela está namorando Blake Griffin, o destaque dos Detroit Pistons. Ela se recusa a confirmar esse fato, mas uma das razões pelas quais podemos estar razoavelmente certos disso é que, no dia seguinte do dia dos namorados, ela me liga de Michigan e quando pergunto por que ela está lá, ela diz com carinho: “Estou visitando um amigo”. Quando pergunto em branco se ela tem namorado, ela diz: “Eu gosto da minha vida privada”. Pausa. “Sim… não. Eu estou feliz. Ele é muito simpático. Tenho alguém que é muito bom comigo”.

Estamos agora em sua Range Rover em direção a Beverly Hills para o almoço. “Por que, eu imagino, a internet parece pensar que você é gay?” Ela ri. “Eu acho que é porque eu não sou como todas as minhas outras irmãs, que são como, ‘Aqui estou eu com meu namorado!’ Então foi uma coisa por um tempo, por que ninguém nunca me viu com um cara. Eu sempre fui para longe das câmeras para ter mais intimidades com caras, furtivamente o tempo todo. Você não quer ficar louca”.

Ela puxa para a auto-estrada, e em poucos segundos vamos a 90 km/h. Kendall continua: “Eu não acho que tenha um só osso bissexual ou gay no meu corpo, mas eu não sei! Quem sabe?! Estou ansiosa pela experiência – nada contra isso – mas nunca estive lá (fiz isso) antes”. Ela pensa por um momento. “Além disso, eu sei que tenho um tipo de… energia masculina? Mas eu não quero dizer isso errado, porque não sou transgênero ou qualquer coisa. Mas eu tenho uma energia difícil. Eu me movo de maneira diferente. Mas para responder a sua pergunta: eu não sou gay. Não tenho literalmente nada a esconder”. Ela solta uma risada mordaz. “Eu nunca esconderia algo assim”.

Ela percebe que são apenas 11:00 da manhã – muito cedo para o almoço – então ela sai da auto-estrada e dirige-se para Kardashistan: Hidden Hills, onde ela cresceu e onde a mãe ainda mora e onde Kylie e Kimye agora agora têm casas. As Kardashian/Jenners podem ter começado como apenas uma outra opção no menu do entretenimento de reality shows, mas já penetrou a cultura tão completamente que você pode odiar elas, mas boa sorte tentando ignorá-las. (“Esta tipo, na moda, odiar a minha família”, diz ela. “Não é tanto que as pessoas realmente acreditam que nós não prestamos, mas isso se tornou uma coisa: se você nos odeia, é uma coisa legal ou algo assim”.)

Paramos na cabine de segurança na entrada do condomínio fechado, a janela do lado do motorista desliza para baixo, e Kendall diz para o guarda, talvez pela milionésima vez, “Oi, sou a Kendall, estou indo para a minha mãe”. Um pouco menos de dois anos atrás, quando jantei com Kendall na casa de sua mãe para uma entrevista para esta revista, Kris Jenner preparou um banquete elaborado para nós e na maior parte do tempo nos deixou sozinhos na sala de jantar para conversar. Mais tarde, porém, ela se juntou a nós por um momento, e enquanto Kendall fazia uma ligação, Kris e eu fomos lá fora para a área da piscina. “Que pessoa adorável”, eu disse. “Minha pequena humana?”, Disse Kris. “Ela é uma boa garota. Ela tem um bom coração. Ela definitivamente está obtendo o máximo de todos os dias. Sua vida com seus amigos me fazem sorrir, porque no ensino médio ela teve alguns amigos, mas então ela foi educada em casa porque estávamos filmando o reality show (KUWTK)… E era só ela e suas irmãs. Então, quando ela começou a modelar, ela fez bons novos amigos e acho que é legal que ela tenha essa vida maravilhosa agora”.

E faz menos de uma semana que a irmã mais nova de Kendall, Kylie, deu à luz ao Bebê Super Secreto. (Os dez filhos da família agora têm treze crianças entre eles). Kylie fez sua toda a sua família assinar acordos de não divulgação. Quando pergunto a Kendall sobre isso, ela expressa primeiro um alívio exasperado de que ela finalmente tem permissão para falar sobre isso. “Não é que é mais emocionante do que os outros partos da família – é diferente e excitante, porque ela é a minha irmãzinha com quem cresci. Todos crescemos em dois: Kourtney e Kim cresceram juntas; Rob e Khloé; Brandon e Brody; Burton e Casey, e então Kylie e eu. Então, ver minha melhor amiga crescer, e ter um bebê? Nos deixou ainda mais próximas”.

Os amigos de Kendall falam sobre o quanto ela é maternal. O seu melhor amigo, Taco Bennett, um DJ de 23 anos e membro do grupo de hip-hop Odd Future, diz: “Ela é como minha segunda mãe – ela é minha mãe no nosso grupo. Sempre que eu fico bêbado, ela cuida de mim”. Diz Kendall: “Meus amigos se divertem comigo e me chamam de Mama Ken, porque eu literalmente tomo o controle de todas as situações. Acho que sou uma aberração por controle. Você sabe quantas vezes eu cuidei dos meus amigos bêbados?”. “Você quer ter filhos?” pergunto. “Estou pronta para esperar”, diz ela. “Eu quero ter filhos, mas lá pelos…28 ou 29”. Ela também pode querer se localizar primeiro.

Quando conheci Kendall há dois anos, eu a peguei em seu condomínio relativamente novo em Westwood, que estava lotado em caixas porque ela estava vendendo e se mudando para uma casa em Hollywood Hills. Agora, enquanto dirigimos por aí, ela anuncia: “Comprei uma casa nova”. Outra? “Sim, tive muitos problemas com a minha última. Eu fui roubada. Eu tinha perseguidores que literalmente invadiram enquanto eu estava em casa. Aconteceu muitas vezes, e acabei me sentindo presa”.

Sua nova casa é, naturalmente, em um condomínio fechado, bem como nas colinas de Mulholland. “Tem um quintal! E uma grande piscina! É toda uma… situação. Posso caminhar. Eu posso adotar um cachorro – e eu posso levar o cachorro para passear”. Então nós levantamos e paramos na frente de sua antiga casa. “OK, então foi aí que eles começaram a filmar KUWTK… Mas agora é uma casa completamente diferente, porque eles a derrubaram, mas o pátio ainda parece o mesmo, e eles mantiveram a entrada da frente e… Meu Deus! Eles mantiveram a nossa casa de bonecas! Essa era a nossa pequena casa de bonecas!”. E, de fato, sob um suporte de árvores no canto do enorme pátio da frente, há uma pequena e elaborada estrutura, como uma casa de árvore deslocada do chão.

A teoria da boa forma da empresa Kardashian – a coisa que a torna de alguma forma universal – pode muito bem ser a simples ideia das meninas que brincam em casas de bonecas. E aqui mesmo, sentado a apenas 50 metros de distância, é algo como o Mount Vernon (um palácio) das Kardashians, mas em miniatura. “O que vocês faziam lá?” Eu pergunto. “Íamos para dentro (da casa de bonecas) brincar e esse tipo de coisa”, diz Kendall, ainda com saudade e à beira das lágrimas. “É loucura”. Nós nos sentamos por um minuto, e então Kendall diz: “Mas eles a reformaram”, e então ela pisa no acelerador e vamos embora.

Nós finalmente chegamos ao Beverly Hills Hotel, onde Kendall evita a entrada principal (e, portanto, o lobby) e dirige para uma rampa de uma garagem subterrânea privada onde, como acontece, sua última compra está estacionada: um roxo, e em perfeito estado Cadillac Eldorado Biarritz de 1960. Dois anos atrás, ela me conduziu por Los Angeles em seu conversível Corvette azul claro de 1956. Eu lembro a ela que ela descreveu isso como “uma forma não tão discreta de transporte”, e ela solta uma risada e diz: “Este é ainda pior, é mais rápido e é um barco”.

Chegamos no andar de cima do Polo Lounge e estamos sentados em uma enorme cabine de canto, e em poucos minutos somos abordados por um estranho casal de franceses na sua lua de mel, esperando uma fotografia. “Ela é uma grande fã”, diz o homem. “Oh, legal”, diz Kendall. “Vocês querem se sentar?” Me demora um minuto a perceber que é simplesmente menos estranho em um restaurante movimentado para os estranhos se sentarem para a foto do que para a estrela se levantar. Quando eles saem, Kendall diz: “Eles eram ambos, tão bonitos – ambos, tipo, bronzeados, com olhos azuis assustadoramente lindos”. Estou impressionado não tanto pelo quanto ela é educada mas também, graciosa. Ela parece estar, sem esforço, em sintonia com a forma como as pessoas em diferentes situações querem e devem ser tratadas.

Virgil Abloh, o designer de Off-White, diz que Kendall é sua musa não por causa de sua aparência, mas por sua personalidade. “Ela exemplifica exatamente o que me inspirou a projetar roupas femininas: ela é independente, forte e segura de si mesma. Ela vem de um lugar de autoconfiança, mas sem ar de arrogância, o que é raro”. Ele acha que Kendall transcende a moda: “Em 30 anos, não ficaria surpreso se as pessoas se esquecessem de que ela era uma das principais modelos do nosso tempo e conhecessem ela por outra coisa”.

Kendall conheceu Taco Bennett no Twitter há sete anos. “Ela é super legal!”, Diz Bennett, que descreve Kendall como um “lobo solitário” – alguém que “se esconde em plena visão, melhor do que ninguém”.

Além de ir mais longe para evitar os olhos curiosos dos paparazzis, Kendall não se esforça para ser uma das mulheres mais famosas e bonitas do mundo. Na verdade, ela está consternada com alguns dos comportamentos que ela vê no mundo rarefeito que ela viaja. “Eu tenho amigos que foram sugados em algo que não é real, e é isso que eu nunca quero fazer. Todo meu objetivo na vida é ficar tão humilde e centrada o quanto eu puder, fazendo as coisas que eu amo”.

Eu vou ser honesto: não esperava conversar com Kendall Jenner sobre a neutralidade da rede ou a falta de água na África, mas essas coisas surgiram. Quando eu pergunto a ela se ela faz algum trabalho de caridade, ela diz: “Minha mãe sempre me ensinou – e acho que há algo na Bíblia sobre isso – quando você faz boas obras para os outros, você não deve falar sobre isso”. Ela permite que ela esteja envolvida com uma organização sem fins lucrativos que ajuda a fornecer água limpa para pessoas que mais precisam dela e ela regularmente visita e traz presentes para crianças no Children’s Hospital Los Angeles em Los Angeles, Califórnia. Em certo ponto eu pergunto: quando as pessoas pensam em você, o que você gostaria que elas pensassem, o que você representa? “Essa é uma boa pergunta”, diz ela, e pondera por um momento. “Tenho apenas 22. Ainda estou tentando encontrar o meu caminho – na vida, não em termos de trabalho”.

Falamos um pouco sobre o ano passado ou desde as últimas eleições. “É muito desmotivador”, diz ela. “Há coisas acontecendo que são apenas assim… horríveis… que você não quer participar de nada. Eu tive dias ultimamente, onde eu só quero sentar na minha cama e não fazer nada. Isso faz com que você tenha medo de sair de casa. É um pesadelo por completo. E eu queria ter o poder de corrigir tudo”. Eu trago o fluxo interminável de notícias sobre assédio sexual e assalto, mais recentemente no mundo da moda. “Por sorte, não fui colocada em uma situação como essa na minha vida”, diz ela. “Já ouvi falar sobre isso por tanto tempo, entendi. Eu posso tentar e entender”.

“Mas, como já foi dito, acho que é algo tão poderoso que, em um tempo que é assim é tão… Merda, por falta de uma palavra melhor… É realmente legal e capacitante ver um monte de mulheres se juntarem e dizer que não vamos defender isso – não estamos indo levemente; nós estamos indo na força total. É o que eu acho tão inspirador”.

Mas 2017 foi um ano difícil para Kendall, em outras formas mais pessoais também. Toda vez que ela fazia algo, parecia que ela era acusada de ser sem noção e de não ser capaz de perceber uma controvérsia de apropriação cultural depois da outra: ser fotografada, como não indígena, para a capa do décimo aniversário da Vogue Índia; para, por exemplo, mas notavelmente, aparecendo em um já conhecido anúncio da Pepsi que foi retirado do ar 24 horas depois que um apego de indignação tocou na terra. Uma falha de fogo multicultural, retratou uma manifestação de protesto falsa, completada com policiais e barricadas, com o elenco de Kendall como modelo que sai de sua sessão de fotos para ver o que é todo o barulho, junta-se ao movimento e cruza as barricadas para entregar a um policial branco uma lata de Pepsi – e depois cumprimenta seus novos amigos do protesto.

“Obviamente, minha intenção não era machucar ninguém”, diz ela. “Honestamente, eu simplesmente me escondi. Me machucou que machuquei ou ofendi outras pessoas”. Ela pensa por um minuto. “Eu já havia sido alvo de gritos e controvérsias antes, mas nada naquela medida. Você nunca pode realmente se preparar para algo assim”.

Pergunto-lhe se – como alguém com tantos amigos negros e membros da família -, alguém falou com ela sobre isso. “Não”, diz ela. “Ninguém veio até mim para explicar aonde eu estava tipo, ‘Oh, entendi’. Mas eu não sou uma idiota. Eu posso ver por mim mesma”. Uma das coisas mais fascinantes sobre as Kardashians é que elas parecem ser tão integradas confortavelmente como uma família. Em um país onde, mostram os estudos, 90% das pessoas brancas não têm amigos negros próximos, acho que isso as torna bons modelos em um aspecto. Quando executo essa noção por Kendall, ela diz, simplesmente: “Mas é assim que cresci”. Ela faz uma pausa por um momento. “Eu não pensei que o anúncio fosse controverso exatamente por esse motivo. Quando aconteceu fisicamente – o cumprimento (com as pessoas do protesto)? Não é sobre isso que todos estavam surtando? – Eu simplesmente não pensei nisso assim”.

Uma das grandes lições que tirou de toda a ladainha complicada que surgiu sobre isso, é estar mais envolvida em cada coisa que ela faz. “Eu sempre estava realmente nervosa em qualquer trabalho”, diz Kendall. “Eu sou um grande prazer para as pessoas julgarem, e é isso que meu trabalho sempre foi: você vem para definir o que foi pensando e você faz o que lhe dizem. Eu não penso em mim mesma como uma pessoa especial na maioria dos dias – eu sou apenas uma garota normal que gosta de sair com seus amigos e gosta de pizza. Minha família, minha agente, meus amigos todos se divertem com isso: garota, você precisa se dar algum crédito. Mas é isso que tirei disso: preciso estar mais presente e prestar mais atenção”. 

Conforme nosso almoço vai acabando, eu percebo que Kendall é aquele tipo raro de pessoa que não é só legal por conta da sua facilidade em lidar com a moda e o hip hop ou por seu estilo relaxado, mas também por conta de seu extremamente extravagante, sincero e genuíno interesse pelos outros. Ela é sensível, vulnerável, e um livro aberto, ótima para bater um papo. Ela não é crítica, metida e nem baixa. Não existe nada, tipo, deixe pra lá. Eu a conto sobre a minha primeira impressão sua há dois anos atrás: que ela claramente esteve passando muito tempo andando com homossexuais de meia idade e artistas com maquiagem e penteados ultrapassados em sessões de fotos, levando-a a aprender com eles seus modos de falar falsamente descolados e fora de moda. Ela apenas respondeu: “Ou talvez vocês estejam aprendendo com a gente”. Touché.

Para alguém tão jovem, Kendall tem a mentalidade de alguém muito mais antigo. “No final da nossa vida”, diz ela, “você não vai se importar se você trabalhou todos os dias ou se você ganhou tanto dinheiro. Você vai se preocupar com os relacionamentos que você construiu e com os laços que você possui e com o amor que você criou. É com isso que você vai se preocupar. Esse é o meu lema: você é o que você deixa para trás”.

 

Tradução e adaptação: Equipe Kendall Brasil

Fonte: Vogue US

Aproveite para ler também:
Espere! Não se vá antes de deixar o seu comentário sobre o post




O Kendall Brasil não possui nenhum tipo de contato com a Kendall ou alguém próximo a ela, tampouco somos ela, somos apenas um fã site feito por fãs e para fãs a fim de informar e unir os fãs da Kendall no Brasil. Todo o conteúdo postado aqui pertence a equipe do Kendall Brasil, caso utilize pedimos que dê os devidos créditos à nós, fica proíbida a cópia total ou parcial deste layout assim como, também deste site! Esperamos que tenham gostado da visita e voltem sempre!